Definição e Critérios para Centros de AVC (Hospitais de Referência)

Centro de Atendimento de Urgência Tipo I, Tipo II e Tipo III aos Pacientes com AVC

Habilitado pelo Ministério da Saúde como Centro de Atendimento de Urgência Tipo I, Tipo II e Tipo III aos Pacientes com AVC, conforme descrito abaixo:

Tipo I:

Estabelecimentos hospitalares que desempenham o papel de referência para atendimento aos pacientes com AVC, que disponibilizam e realizam o procedimento com o uso de trombolítico, conforme Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – PCDT específicos, e que cumpram com os seguintes requisitos:

  • Realizar atendimento de urgência vinte e quatro horas por dia, todos os dias da semana, inclusive finais de semana;
  • Realizar exame de tomografia computadorizada de crânio nas vinte e quatro horas do dia;
  • Dispor de equipe treinada em urgência para atendimento aos pacientes com AVC, composta por médico, enfermeiro, técnicos de enfermagem e coordenada por neurologista com, título de especialista em neurologia, reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) ou Conselho Regional de Medicina (CRM) ou residência médica em Neurologia reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC);
  • Disponibilizar protocolos clínicos e assistenciais escritos;
  • Fornecer cobertura de atendimento neurológico, disponível em até trinta minutos da admissão do paciente (plantão presencial ou sobreaviso à distância ou suporte neurológico especializado por meio da telemedicina);
  • Possuir leitos monitorados para o atendimento ao AVC agudo, com médico vinte e quatro horas por dia e equipe treinada para o atendimento, podendo ser no serviço de urgência ou Unidade de Terapia Intensiva (UTI);
  • Realizar serviço de laboratório clínico em tempo integral;
  • Dispor de equipe neurocirúrgica vinte e quatro horas (presencial ou disponível em até duas horas); e
  • Realizar serviço de hemoterapia.

Tipo II

Além dos quesitos necessários para o Tipo I, deve contar com Unidade de Cuidado Agudo ao AVC (U-AVC Agudo). Necessita de área física definida, no mínimo, com 5 leitos exclusivamente destinados ao atendimento do paciente com AVC (isquêmico, hemorrágico ou acidente isquêmico transitório), durante a fase aguda (até 72 horas da internação), oferecendo, inclusive tratamento trombolítico endovenoso para o AVC isquêmico. O atendimento é feito de forma multiprofissional, com a inclusão de fisioterapia e fonoaudiologia. O tratamento de fase aguda é coordenado pelo neurologista.

O hospital deve realizar os seguintes procedimentos: eletrocardiograma (ECG), Serviço de laboratório clínico em tempo integral, Serviço de radiologia. E possuir acesso garantido por meio de termo de compromisso aos seguintes procedimentos: Serviço de hemoterapia, ultrassonografia doppler colorido de vasos (exame de doppler de artérias cervicais), ecocardiografia (ecocardiograma) transtorácico e transesofágico e angiografia, angiotomografia, ressonância magnética, angioressonância, ecodoppler transcraniano e neuroradiologia intervencionista.

Recursos Humanos

Cada U-AVC Agudo deve ter pelo menos:

  • 1 responsável técnico, com título de especialista em neurologia reconhecido pelo CFM ou CRM ou residência médica em Neurologia, reconhecida pelo MEC);
  • Médico vinte e quatro horas por dia;
  • Enfermeiro vinte e quatro horas por dia;
  • 1 técnico de enfermagem exclusivo para cada 4 (quatro) leitos, vinte e quatro horas por dia;
  • Suporte diário de fisioterapeuta;
  • Suporte diário de fonoaudiólogo;
  • Suporte de neurologista vinte e quatro horas por dia, 7 dias por semana, inclusive feriados;

Recursos Materiais

A U-AVC Agudo deve possuir, no mínimo, 5 (cinco) leitos com os seguintes equipamentos e materiais:

  • amas Hospitalares com grades laterais, correspondente ao número de leitos habilitados;
  • 1 estetoscópio/leito;
  • Pelo menos 2 equipamentos para infusão contínua e controlada de fluidos (“bomba de infusão”) para cada leito, com reserva operacional de 1 equipamento para cada 3 leitos;
  • Pontos de oxigênio e ar comprimido medicinal com válvulas reguladoras de pressão e pontos de vácuo para cada leito;
  • Materiais para aspiração;
  • Kit, por unidade, para atendimento às emergências contendo medicamentos e os seguintes materiais: equipamentos para ressuscitação respiratória manual do tipo balão auto-inflável, com reservatório e máscara facial (ambu), cabos e lâminas de laringoscópio, tubos/cânulas endotraqueais, fixadores de tubo endotraqueal, cânulas de Guedel e fio guia estéril – 1;
  • Equipamento desfibrilador/cardioversor: 1 para unidade;
  • Eletrocardiógrafo portátil: 1 equipamento por unidade;
  • Equipamento para aferição de glicemia capilar, específico para uso hospitalar: 1 para unidade;
  • Maca para transporte, com grades laterais, suporte para soluções parenterais e suporte para cilindro de oxigênio: 1 para cada 5 leitos;
  • Cilindro transportável de oxigênio;
  • Máscara facial com diferentes concentrações de Oxigênio: 1 para cada 3 leitos;
  • Monitor de beira de leito para monitorização contínua de frequência cardíaca, cardioscopia, oximetria de pulso e pressão não invasiva, frequência respiratória e temperatura, um para cada leito.

Tipo III

Além dos quesitos necessários para o Tipo II, deve contar com Unidade de Cuidado Integral ao AVC (U-AVC Integral). A U-AVC Integral inclui a U-AVC Agudo, podendo compartilhar ou não o mesmo espaço físico. É necessário possuir, no mínimo, 10 leitos e objetivar o atendimento da totalidade dos casos de AVC agudo admitidos na instituição (exceto aqueles que necessitarem de terapia intensiva e aqueles para os quais for optado por suporte com cuidados paliativos). Tem, também, o papel de dar continuidade ao tratamento da fase aguda, reabilitação precoce e investigação etiológica completa. Deve contar com Ambulatório especializado para dar suporte à Rede (preferencialmente próprio ou referenciado).

O hospital deve realizar os seguintes procedimentos: eletrocardiograma (ECG), Serviço de laboratório clínico em tempo integral, Serviço de radiologia, Serviço de hemoterapia, ultrassonografia doppler colorido de vasos (exame de doppler de artérias cervicais), ecocardiografia (ecocardiograma) transtorácico e transesofágico e angiografia. E possuir acesso garantido por meio de termo de compromisso: aos seguintes procedimentos: angiotomografia, ressonância magnética, angioressonância, ecodoppler transcraniano e neuroradiologia intervencionista.

Recursos Humanos

Cada U-AVC Integral deve ter pelo menos:

  • 1 responsável técnico, com título de especialista em neurologia reconhecido pelo CFM ou CRM ou residência médica em Neurologia, reconhecida pelo MEC);
  • 1  médico, vinte e quatro horas por dia;
  • Suporte de neurologista vinte e quatro horas por dia, 7 dias por semana, inclusive feriados;
  • 1 enfermeiro exclusivo na unidade;
  • 1 técnico de enfermagem para cada 4 (quatro) leitos;
  • 1 Fisioterapeuta para cada 10 leitos (6 horas/dia);
  • 1 Fonoaudiólogo para cada 10 leitos (6 horas/dia);
  • 1 Terapeuta ocupacional para cada 10 leitos (6 horas /dia);
  • 1 assistente social 06 horas/dia de segunda à sexta;
  • Suporte de psicólogo, nutricionista e farmacêutico na instituição;

Recursos Materiais

A U-AVC Integral deve possuir, no mínimo, 10 (dez) leitos com os seguintes equipamentos e materiais:

  • Camas Hospitalares com grades laterais, correspondente ao número de leitos habilitados;
  • 1 estetoscópio/leito;
  • 2 equipamentos para infusão contínua e controlada de fluidos (“bomba de infusão”) para cada leito, com reserva operacional de 1 equipamento para cada 3 leitos;
  • Cinquenta por cento dos leitos com capacidade para monitoração contínua de freqüência respiratória, oximetria de pulso, freqüência cardíaca, eletrocardiografia, temperatura, pressão arterial não-invasiva;
  • Pontos de oxigênio e ar comprimido medicinal com válvulas reguladoras de pressão e pontos de vácuo para cada leito;
  • Máscara facial que permite diferentes concentrações de Oxigênio: 01 (uma) para cada 05 (cinco) leitos;
  • Materiais para aspiração;
  • Eletrocardiógrafo portátil: 1 equipamento por unidade;
  • Kit, por unidade, para atendimento às emergências contendo medicamentos e os seguintes materiais: equipamentos para ressuscitação respiratória manual do tipo balão auto-inflável, com reservatório e máscara facial (ambu), cabos e lâminas de laringoscópio, tubos/cânulas endotraqueais, fixadores de tubo endotraqueal, cânulas de Guedel e fio guia estéril – 1;
  • Equipamento desfibrilador/cardioversor: 01 para unidade;
  • Equipamento para aferição de glicemia capilar, específico para uso hospitalar: 1 para unidade;
  • Maca para transporte, com grades laterais, suporte para soluções parenterais e suporte para cilindro de oxigênio: 1 para cada 10 leitos;
  • Cilindro transportável de oxigênio.

A U-AVC Integral deve monitorar e registrar os seguintes indicadores assistenciais e de processo:

  • Profilaxia para trombose venosa profunda iniciada até o segundo dia;
  • Alta hospitalar em uso de antiagregante plaquetário em pacientes com AVC não cardioembólico (salvo situações específicas);
  • Alta hospitalar em uso de anticoagulação oral para pacientes com Fibrilação Atrial (FA) ou Flutter (salvo contraindicações);
  • Uso de antiagregantes plaquetários, quando indicado, iniciado até o segundo dia de internação;
  • Alta hospitalar em uso de estatina para pacientes com AVC aterotrombótico (salvo contraindicações);
  • Alta hospitalar com plano de terapia profilática e de reabilitação;
  • Porcentagem de pacientes com doença cerebrovascular aguda, atendidos na Unidade de AVC;
  • Tempo de permanência hospitalar do paciente acometido por AVC visando redução do mesmo;
  • As seguintes complicações: trombose venosa profunda, úlcera de pressão, pneumonia, infecção do trato urinário;
  • CID-10 específico do tipo de AVC à alta hospitalar;
  • Mortalidade hospitalar por AVC, visando redução da mesma;
  • Tempo porta-tomografia < 25 minutos;
  • Tempo porta-agulha < 60 minutos.