Quem Somos


A Rede Brasil AVC é uma Organização não Governamental criada com a finalidade de melhorar a assistência global ao paciente com AVC em todo o País. É formada por profissionais de diversas áreas que unidos lutam para diminuir o número de casos da doença, melhorar o atendimento pré-hospitalar e hospitalar ao paciente, melhorar a prevenção ao AVC, propiciar a reabilitação precoce e reintegração social.

Missão

Organizar e qualificar o cuidado ao paciente com Acidente Vascular Cerebral no âmbito da prevenção, tratamento e reabilitação, atuando na busca contínua da excelência no ensino, pesquisa e assistência ao paciente e seus familiares em todo país.

Histórico

O AVC é a doença que mais mata os brasileiros e é a principal causa de incapacidade no mundo. Apesar disso, ainda é uma doença negligenciada. A população não sabe reconhecer os sintomas, não sabe que atitude tomar na vigência do quadro agudo, não conhece seus fatores de risco e adere mal à sua prevenção.

Na década de 90 ficou comprovado que as unidades de AVC diminuem a mortalidade e a incapacidade com um conjunto de ações simples e objetivas, como evitar febre, evitar queda da oxigenação, evitar aumento ou diminuição excessiva da glicose, mobilizar precocemente o paciente, evitar aspiração com alimentos. Mesmo assim, pouquíssimos hospitais no país oferecem este atendimento simples e barato mas que necessita organização e treinamento da equipe.

Em 1995 ficou demonstrado que uma nova medicação, o rtPA (ativador do plasminogênio tecidual recombinante), também chamado de alteplase, quando aplicado endovenosamente em até 3 horas do início dos sintomas é capaz de desobstruir o vaso da circulação cerebral ocluído durante o AVC isquêmico. Este tratamento, chamado trombólise, é o único tratamento efetivo aprovado para o AVC e aumenta muito as chances de recuperação do paciente. A trombólise para o AVC está aprovada no Brasil desde 2001 mas, ainda hoje, poucos hospitais tem treinamento, estrutura e organização suficientes para implementá-la. Além disso, para evitar complicações, o tratamento exige um neurologista treinado no atendimento destes pacientes.

Desde 2002, por iniciativas individuais, um grupo de neurologistas vasculares vem organizando os seus hospitais de atuação para tratar aos pacientes com AVC com a melhor terapia disponível. Em junho de 2008 o Brasil já apresentava 35 hospitais oferecendo tratamento trombolítico aos pacientes com excelentes resultados, semelhantes aos da literatura internacional. Destes hospitais, 14 atendiam pacientes do Sistema Público, demonstrando que o Brasil tem condições de oferecer o único tratamento disponível para o AVC com segurança.

Em fevereiro de 2008, a Coordenação Geral de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde percebeu a necessidade e a possibilidade de estruturar um Projeto Nacional de Atendimento ao AVC, acreditando que a organização dos serviços de urgência (pré-hospitalar e hospitalar) melhorariam a qualidade do atendimento a todos os pacientes e a partir da urgência organizaríamos toda a rede de assistência.

O Projeto foi construído reunindo as melhores experiências do país no atendimento ao AVC em cada área e alicerçado pela Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares / Academia Brasileira de Neurologia e pelos maiores especialistas em neurologia vascular do país. Estes neurologistas, que vinham individualmente trabalhando para melhorar a assistência do AVC em seus hospitais e suas cidades, uniram-se, a partir da iniciativa do Ministério da Saúde, para juntos formar a Rede Brasil AVC.